Ir para conteúdo

Ah, mulher maravilha…

Setembro é um mês que simboliza mudança. A mudança do inverno para a primavera, estação onde tudo floresce e tudo cresce. Os jardins voltam a ter vida e os dias ganham mais cor, as flores e o brilho do sol tiram o cinza sem graça do inverno. E se tudo floresce, tudo também se renova. Renovação é recomeço, é uma nova chance de fazer aquilo que sempre desejamos. Uma nova chance de fazer dar certo.

Com a chegada da primavera, temos a certeza que não importa o quanto o inverno dura ou nos castiga porque sempre haverá a primavera para afastar o frio e a melancolia, trazendo a alegria em cada nascer do sol. E, se a própria natureza se transforma e “revive”, por que não podemos fazer o mesmo?

Já faz tempo que venho dizendo que viver é muito difícil. Afinal, a cada dia enfrentamos um novo desafio. Encaramos novas batalhas, novos leões e medusas que estão sempre prontos para tentar nos derrubar e machucar. Dificuldades que nos fazem querer desistir de tudo, inclusive de viver. A dor é tão grande… Dói demais… Quase insuportável… Por que não dar logo um fim nela?

Eu te digo o por quê. Viver pode ser duro, mas ao mesmo tempo é maravilhoso demais! Eu já estive no lado que você está ou esteve. Já quis desistir de tudo porque a dor dentro de mim era muito grande. Eu me perdi. Já não sabia mais quem eu era, do que gostava. Era apenas um sorriso escondendo um mundo de lágrimas. Eu era a tristeza disfarçada de alegria. Não queria desapontar ninguém, muito menos que descobrissem que eu não era a “Mulher Maravilha” que todos acreditavam ser.

Eu tinha medo de falar e de me abrir com alguém. Tinha medo de me expor, de mostrar “o meu ponto fraco”. Até que um dia eu descobri que heróis também sofrem e choram. A “Mulher Maravilha” que fica de ponta-cabeça e encara os mais ferozes monstros também é de carne e osso. Tenho os meus medos e as minhas inseguranças. Aprendi do jeito mais difícil que, antes de querer salvar o mundo, eu precisava salvar a mim mesma.

Não sou vítima, muito menos pobre coitada! Sou humana que nem você. Tive que encarar os “monstros” que habitavam a minha mente. Fui reencontrar a menina-mulher que estava escondida aqui dentro, perdida e com medo. Obrigada a minha psicóloga que me ajudou a me reencontrar, e a minha família e amigos que me reensinaram a andar, correr e, agora, a voar. Vocês serão para sempre o meu porto seguro….

E se você que está lendo esta carta estiver triste ou for depressivo, volte para o seu porto, para o seu lar. Não tenha medo de voltar. Não há nada de errado em querer recomeçar. Seja forte e procure ajuda. No final, tudo dá certo!

Palavra da Mulher Maravilha!

IMG_0789

 

3 comentários em “Ah, mulher maravilha… Deixe um comentário

  1. Parabéns pelo desabafo e pela coragem de expor o que a maioria de nós passa. ” Era apenas um sorriso escondendo um mundo de lágrimas. Eu era a tristeza disfarçada de alegria. Não queria desapontar ninguém, muito menos que descobrissem que eu não era a “Mulher Maravilha” que todos acreditavam ser.”
    Ótimo texto. Beijão.

Deixe uma resposta

pt_BRPortuguês do Brasil
en_USEnglish fr_CAFrançais du Canada es_ESEspañol pt_BRPortuguês do Brasil
%d blogueiros gostam disto: