Ir para conteúdo

Sobre

Sobre ser força, ser forte, ser luz. Não necessariamente nessa ordem, não imperativamente todos os dias, mas existe uma importância e uma felicidade em ser algo para alguém. Em ser algo para si mesmo, em admitir em alta voz o que você gostaria, o que você sente que merece, o que você espera do mundo, dos outros. Existe algo puro dentro de cada um de nós, seja em forma de família, de filha, filho, pai, mãe, amigo, amiga. A versão de você que muda baseado em um referencial, em um alguém, em uma necessidade daquele alguém.

Sobre ser família,  não necessariamente sobre ter o mesmo sangue. É amor. A escolha faz com que seja simples. O que você quer, quem você escolhe, quem você merece, quem merece você. Família é presente diário, é regalia, é dádiva, é compreensão com uma dose de sermão, é um abraço carinhoso com um olhar severo, é um bolo de chocolate recheado com um aviso de que precisa fazer dieta. É um morder e assoprar constante. Mas família tem isso, é constante, é rocha, é porto seguro, é casa, é para onde vamos quando o mundo parece ter nos dado as costas. Família é família.

Sobre ter amigos, sobre ser amigo. A escassez de amizades bem enraizadas, não aquelas onde não existem brigas, mas aquelas em que existe o perdão, a compreensão, a compaixão. A liquidez sentimental, a timidez que desorienta o rumo de algo verdadeiro. O medo do choro, do julgamento, o medo de não ser força naquele momento, o medo de precisar de apoio e não de ser apoio. A constante necessidade de se doar, ou de ser cobrado. A falta de liberdade para aceitar quem somos, para viver de acordo com o que acreditamos. A falta de aceitação.

Sobre sentir, amar, seguir. A saudade que bate: de alguém, de momentos, de sorrisos, de sentimentos. A sensação de não pertencer, depois de pertencer, e aí perder. A aceitação para seguir, olhar para trás e não ter vontade de desistir. O aprendizado sobre o quão essencial à vida é o planejamento, a criação boba (talvez não tão boba assim) de expectativas, aquele frio na barriga, a ansiedade que te tira o sono, a sensação de esperar por algo bom. Saber tropeçar, levantar depois de cair, aceitar imperfeições e sorrir ao final de tudo.

Sobre viver, cuidar e amar. Amar, amar, amar e amar. Por que amar nunca é demais. Amar é viver, é cuidar, é saber quando ir embora, quando ficar. Amar é deixar escorrer pelos olhos uma dor que só você sente, uma dor que alguns outros compreendem. Amar é compartilhar, é se deixar abraçar e se deixar cuidar. Amar é cicatrizar machucados novos, antigos, machucados que ainda nem foram plenamente vividos. Amar é somente amar, é individualidade coletiva, é o bom dia que você se dá ao acordar, é o sorriso de que um novo dia se inicia, é o agradecimento de que sentimos e não somente existimos. Amar é sentir, é ser. Ser filho, filha, pai, mãe, tio, irmão, irmã. É ser alguém para alguém. É ser a si mesmo para si.

Amar é você, sou eu, são todos os outros pelo mundo a fora. Sem fronteiras.

Deixe uma resposta

pt_BRPortuguês do Brasil
en_USEnglish fr_CAFrançais du Canada es_ESEspañol pt_BRPortuguês do Brasil
%d blogueiros gostam disto: