Ir para conteúdo

Querer é poder?

Nos últimos tempos, venho pensado muito sobre a questão “Querer é poder.” Não sei se é pelo fato dessa nova onda de “coaches” com aquele discurso motivacional de “força, foco e fé”, ou então,” é só ter força de vontade que todos os seus sonhos e objetivos irão se realizar”. E, quando não atingimos as nossas metas, é por que não “queríamos de verdade”. Nada contra os coaches. Entretanto, existem muitas pessoas por aí que se chamam”coach” e que possuem um discurso muito radical para minha cabeça. Confesso que já fiz parte desse grupo “tudo ou nada”. Fazia tudo a ferro e fogo. Até que nos últimos tempos, me peguei não conseguindo atingir as minhas “metas”. Não por foi falta de vontade, mas por outros fatores.

É muito fácil apontar o dedo e dizer que fulano não tem compromisso por isso não consegue emagrecer. Ou então, ciclano não consegue mudar de vida por que não quer. E o beltrano coitado? Esse aí é um descuidado. Ele vive desarrumado e com cara de cansaço todo os dias. Nenhum deles realmente QUER emagrecer, ser bem sucedido ou ter uma boa aparência. Afinal, é tão simples. Basta querer que tudo se resolve. Ah! Se fosse tão fácil… 

Será que não existe algo por trás da dificuldade do fulano de emagrecer? Ou quem sabe um problema na vida do beltrano não está o deixando dormir direito? Todos nós temos algo que nos impede de seguir em frente em algum ponto da nossa vida. Às vezes ele é óbvio, está estampado na nossa cara. Outras vezes, está escondido por trás de algum trauma ou problema de saúde.

E nós, sociedade líquida, sedenta por vidas e corpos perfeitos, esquecemos que por trás da tela do telefone existem pessoas que sentem, que sofrem e que todos os dias lutam para conquistar os próprios sonhos. Alguns vão mais rápido, outros mais devagar. Cada um no seu tempo e do seu jeito.  Às vezes, o que nos impede de seguir em frente e virar a página, foi aquele amor de adolescência que deixou marcas e que nem percebemos, ou fingimos não perceber. Talvez, foi um trauma na infância que fez com que nos escondêssemos atrás da comida, ou de roupas surradas. Vai saber? A mente é uma caixinha de surpresas.

É claro que existem aqueles famosos procrastinadores. Aqueles que não fazem nada por falta da boa e velha vergonha na cara. Na contra, quem sou eu para julgar? Nossa vida, nossas escolhas. Mas e aqueles que não procrastinam? Muitas vezes, o que nos impede de ir atrás daquilo que queremos são ciclos que não foram encerrados e que precisam de um ponto final. Afinal, é preciso terminar um capitulo para que outro posso se iniciar.  Ou então, como no meu caso, precisamos deixar de lado certos medos e certas crenças. Abrir a cabeça para coisas novas e até mesmo novas oportunidades. Deixar o medo de lado, ou então, ir com medo mesmo. Por que não tentar fazer algo novo, ou diferente? Vai que dá certo?

Às vezes as coisas dão certo, outras vezes não dão. Não abaixe a cabeça quando as coisas não saem como planejado. Não deixe o discurso “Eu não sou capaz. Eu não mereço. Não era para ser” te afetar. Por mais clichê que possa parecer, é errando que se aprende. Sempre há tempo para recomeçar. “Curta a bad” por não ter dado certo. Porém,  levante a cabeça logo em seguida! Lembre-se que você não está sozinho nessa. 

Eu, por exemplo, escolhi um caminho que não é dos mais convencionais. Tenho medo das coisas não darem certo. Fico frustrada quando não consigo alcançar as tal metas que estabeleci. Sei que sou bem exigente comigo. Porém, estou aprendendo a lidar melhor com esses sentimentos. Primeiro, não posso controlar tudo. Segundo, às vezes é preciso esperar as coisas acontecerem. Por fim, para tudo sem solução. Se não sei fazer, posso aprender. Se tenho medo, vou com medo mesmo. Nada que uma boa dose de fé, coragem e loucura não possam resolver. 

Para você que também compartilha desses medos e inseguranças, respire e não pire. Vai dar tudo certo, de um jeito ou de outro. Sorriso no rosto e cabeça erguida. Está tudo bem se você não conseguiu a meta do mês ou da semana. Uma hora vai. Seja mais amoroso com você mesmo. Para você que julga os outros sem antes conhecer, procure ouvir mais. Preste atenção no que os outros têm a falar. Nós temos dois ouvidos e uma boca por um motivo. Por isso, se não tiver nada de bom para falar, não fale nada. Você não sabe o que aquela pessoa está vivendo. Aprenda a ouvir e ater mais empatia. Pense nisso!

Deixe uma resposta

pt_BRPortuguês do Brasil
en_USEnglish fr_CAFrançais du Canada es_ESEspañol pt_BRPortuguês do Brasil
%d blogueiros gostam disto: