Ir para conteúdo

Vamos prozear?

Essa semana aconteceu aqui no Canadá, o Bell Let’s Talk (Bell vamos falar) ou Bell Cause (Causa Bell). Esse é um dia de conscientização sobre a prevenção e tratamento de doenças mentais como ansiedade e depressão. Como eu já tive depressão, e hoje, estou tratando a minha ansiedade, acho super importante falar sobre a minha experiência com as duas doenças.

Quando tive depressão, eu tinha pensamentos suicidas e cheguei a tomar remédio. Depois, que eu terminei os remédios, eu senti que ainda não havia resolvido muitas questões na minha cabeça. Por isso, eu decidi continuar a terapia. Recebi alta em abril de 2017 e, no final do passado, eu decidi voltar para terapia para tratar a minha ansiedade. Eu estava tendo muitas crises de ansiedade e aquilo estava atrapalhando a minha vida.

Quando eu tinha depressão, os meus episódios eram acompanhados de um acesso de tristeza profundo e muito choro. Um choro incontrolável. Eu sentia muita “dor” e tristeza dentro de mim. Com ansiedade, os meus pensamentos aceleram e, logo em seguida, começo a me desesperar, e me sinto paralisada. Começo a ter a sensação de que não vou conseguir dar conta de nada, ou que não tenho tempo o suficiente para fazer as coisas. Entro em um ciclo vicioso que não consigo fazer mais nada e começo a chorar. Às vezes choro por coisas que não consigo resolver e que estão fora do meu controle. Em outros momentos, choro porque me sinto incapaz de fazer qualquer coisa e que eu sou um fracasso. Um sentimento tão ruim que eu não desejo a ninguém. 

Por fim, com todo esse estresse e tensão que estava acontecendo na minha vida, o meu corpo sentiu. Eu tive alteração nos hormônios, meu ciclo menstrual ficou uma bagunça e voltei a ter dores na coluna. Eu estava cheia de pontos de tensão e acabava compensando em outras partes do corpo. Além disso, eu estava descontando muito na comida. Com uma combinação dessas, eu percebi que era hora de voltar para terapia.

Quando decidi voltar para terapia no final do ano passado, eu havia percebido que estava com dificuldade de manter a minha mente no presente. Para quem não sabe, os ansiosos sofrem com aquilo que ainda nem aconteceu. Enquanto os depressivos, sofrem com coisas do passado. Nós também podemos sentir ansiedade por estarmos perdidos e sem saber o que fazer, que decisão tomar, entre muitas outras coisas. Cada caso é um caso. No meu caso, “sofro” por coisas que ainda nem aconteceram, situações que não posso controlar, ou porquê algo deu errado e já me desespero por ter falhado. Quando se tem ansiedade ou depressão, é importante saber quais são os gatilhos. Isso ajuda a reconhecer os momentos de crise.

Se você está se perguntando se eu tomo remédio, a resposta é não. Tomei remédio para depressão mas não precisei tomar remédio para ansiedade. O esporte e a terapia em sido o meu “medicamento” para tratar a minha ansiedade. Como sou atleta de vôlei há muitos anos, precisava de uma outra atividade física para descarregar toda essa energia. Foi nesse momento que encontrei no jiu-jitsu o ponto de equilíbrio que eu precisava. Por intervenção divina, eu acredito que entrei em uma equipe onde vários dos professores eram psicólogos. Um dos meus mestres, Felipe dos Anjos, sempre me falava para respirar e a ter paciência. Eu precisava concentrar em um golpe por vez. Eu procuro levar esses ensinamentos para a vida. Eu sei que é fácil falar e difícil fazer. O importante é não desistir. Obrigada equipe Templum! Vocês são mais que uma equipe para mim, vocês são a minha família.

Na terapia, eu trabalho com a minha psicóloga o meu foco para resolver as coisas. Como ela mesma disse, eu tenho muitos incêndios para apagar. É importante que eu tente apagar um por vez. Mais uma vez, é muito fácil falar mas desistir não é uma opção. Eu entrei em 2020 decidida a resolver minhas questões com a ansiedade. Eu não sei se vou conseguir me livrar. Mas com certeza, eu vou conseguir melhorar a minha relação com esse monstrinho.  Obrigada Danielle por me ajudar a entender melhor a minha cabecinha. Obrigada por me ajudar a seguir em frente!

De todos os ensinamentos que tive ao longo desse tempo, eu preciso dizer: “Não deixe a ansiedade te vencer! Eu sei que é difícil.” Viver é uma montanha russa mesmo. Eu sei que com a ansiedade e a depressão, tudo fica mais intenso. Há dias que eu também tenho vontade de jogar tudo para o alto e desistir. Eu sei que às vezes dói, o corpo sofre, e ficamos paralisados. Procure inspirar e não pirar. Respire fundo e não deixe os pensamentos negativos te vencerem. Procure ajuda. Às vezes, até a Mulher Maravilha ou o Super-Homem precisam de ajuda. Ame-se e procure ajuda! Vai dar tudo certo!

Um comentário em “Vamos prozear? Deixe um comentário

Deixe uma resposta

pt_BRPortuguês do Brasil
en_USEnglish fr_CAFrançais du Canada es_ESEspañol pt_BRPortuguês do Brasil
%d blogueiros gostam disto: