Ir para conteúdo

Você não é todo mundo

Oi meu povo!

Nesses últimos meses de pandemia, eu percebi o quanto é preciso continuarmos a falar sobre ansiedade e depressão. Eu não sei você, mas eu tive muitos amigos e familiares lidando com muitas crises de ansiedade e depressão ao longo desses sete meses de isolamento. Por isso, hoje quero compartilhar apenas 3 coisas que me ajudaram muito nos últimos tempos. 

Se conheça!

Durante essa pandemia, tive uma crise de ansiedade bem chata. Eu jurava ter vindo do nada. Mas, durante a minha sessão de terapia, a minha psicóloga me fez o seguinte questionamento: “O que você estava fazendo antes ter a crise? O que você estava assistindo? Nada vem do nada. Alguma coisa deve ter funcionado como gatilho.

Para quem não sabe, gatilho é algo que pode desencadear uma reação. Podendo ser inclusive uma reação emocional.

No meu caso, o meu gatilho emocional foi o conteúdo de uma influenciadora que abordava conteúdos muito interessantes. Entretanto, a maneira como ela falava sobre os assuntos, desencadeou uma crise de ansiedade em mim.

Para dar um contexto a essa estória, eu encontrei o perfil dessa pessoa através da indicação de uma amiga. Logo de cara, eu não gostei. Apesar de achar o conteúdo muito relevante, eu não me identifiquei com a abordagem dela. Mas, eu decidi ignorar o meu sinal de alerta. Afinal, eu acreditava que isso era uma birra minha. Por esse motivo, continuei assistindo outros conteúdos dela e o resultado vocês já sabem.

A minha cabeça que, normalmente, funciona a mil por hora, ficou ainda mais acelerada. Conforme os pensamentos vinham, a minha sensação de impotência, o meu sentimento de não ser capaz, entre muitas outras coisas começavam a surgir. Mas nada como o bom e velho mantra “Respira e não pira” para me ajudar durante esses momentos.

E o que tem auto conhecimento a ver com isso tudo?

Quando nós iniciamos o processo de auto conhecimento, nós aprendemos a reconhecer aquilo que no faz bem, e aquilo que não faz. Além disso, o processo de auto conhecimento, que não é nada “glamouroso”, nos ajuda a reconhecer nossos gatilhos. Assim, podemos evitá-los e até mesmo curá-los.

E quando nós passamos a viver mais em nós, e começamos a nos conhecer de verdade, aprendemos que praticar amor próprio é um exercício diário.

Afinal, nem sempre é fácil para “não” para quem amamos. Entretanto, é preciso se colocar em primeiro lugar. É preciso se amar primeiro. Por isso, quando seus amigos disserem para você fazer algo e aquilo for contra ao que você acredita, gosta, ou simplesmente te deixa desconfortável, diga não. No início pode parecer chato, mas isso faz parte. Não deixe o seu bem-estar de lado só para poder agradar alguém.

Por fim, eu me pego pensando naquilo que os meus pais sempre diziam: “você não é todo mundo.” E não é que faz sentido? Fazendo uma comparação bem simples:

“Se todo mundo se tacar da ponte, você vai também?”

 Acho que não, certo? O mesmo funciona para o filme que seus amigos falam para assistir, ou o tipo de conteúdo que eles consomem nas redes sociais, ou até o local mais famoso da cidade que eles insistem em te levar mas você não quer ir. Saber dizer “não, obrigada” ou “não, não quero” é um ato de amor próprio. 

Você não precisa gostar das mesmas coisas que o seus amigos o tempo todo. E está tudo bem. Respeite o que você sente. Respeite o que você gosta ou deixe de gostar. Não ignore os sinais de alerta que o seu corpo dá.

Mas se por algum motivo, isso acontecer e, assim como eu, você tiver uma crise, pratique o autocuidado.

Vá fazer aquela atividade que você tanto gosta e que te faz bem. Há momentos que pedem um bom treino de jiu-jítsu ou qualquer outra atividade física intensa. Outros pedem um bom café, um incenso e uma música agradável. Assim como existem aqueles momentos que tudo que eu quero é ficar em silêncio. Eu desativo as notificações, desligo tudo e fico em silêncio. As vezes, tudo que eu preciso é de um momento a sós comigo mesma.

Independente do que seja, faça aquilo que te faz bem. Respeite seus limites, seus momentos, e os seus sentimentos. O seu bem-estar e a sua felicidade devem ser a sua prioridade.

Você não está sozinho. Vai dar tudo certo!

Um comentário em “Você não é todo mundo Deixe um comentário

Deixe uma resposta

pt_BRPortuguês do Brasil
en_USEnglish fr_CAFrançais du Canada es_ESEspañol pt_BRPortuguês do Brasil
%d blogueiros gostam disto: