Ir para conteúdo

Lições da Terapia – Lição 01

Se você me acompanha no Instagram ou no Facebook, deve ter percebido que toda semana eu falo das lições que aprendi na terapia. A cada semana aprendo algo diferente. Porém, nos últimos tempos, a dificuldade aumentou um bocado. Eu passei as últimas semanas trabalhando a mesma lição: deixar traumas para trás e trabalhar a minha insegurança.

Nas últimas semanas, vivi situações que funcionaram como gatilhos. Com isso, aquele sentimento de não ser capaz e, todas as lembranças associadas a esse sentimento voltaram à tona. Terapia tem dessas coisas… Quando nós pensamos que está tudo resolvido, aparece alguma coisa na nossa vida mostrando que ainda há muito o que ser trabalhado.

O passado deve ficar no passado.

Eu sei que isso parece óbvio. Entretanto, por incrível que pareça, o óbvio não é óbvio. O que parece claro como um cristal para mim, pode não ser para você. No meu caso, foi assim:

Imagine que você está no tinder. De repente,  você vê que o seu maior crush também está no tinder. Como se não bastasse os acasos do destino, vocês dão match. E agora José? Bom, foi mais ou menos isso que aconteceu comigo só que na parte profissional. O crush amoroso continua não me notando. Mas tudo bem, vai que um dia rola, né?

Voltando para a nossa história…

Eu fiquei muito nervosa que estava vivenciando esse misto de felicidade com ansiedade. Nessa hora, todas as lembranças dos momentos em que fiquei em segundo lugar no processo seletivo de alguma vaga de trabalho vieram à tona. Eu passava em todas as etapas do processo seletivo. Mas quando chegava no dia da decisão, eu sempre ficava em segundo lugar. “Mas Nika, isso faz parte…” Eu concordo. Entretanto, fala isso para uma pessoa insegura que está vivendo em outro país e tentando ganhar a vida? As coisas podem ganhar proporções maiores…

Uma coisa leva a outra

Quando essas lembranças de ter sempre ficado em “segundo lugar” vieram a tona, relembrei todos os momentos que vivenciei essa sensação de não ter sido escolhida ou ter ficado na segunda colocação. Estou falando de relacionamentos, competições, e por aí vai. Nesse momento, comecei a perceber o quanto as minhas inseguranças estavam afetando a minha vida.

No dia que recebi a data da reunião que tanto esperei, eu entrei em pânico. Eu queria jogar tudo para o alto. Acreditava que tudo aquilo que eu estava fazendo era besteira. Eu pensava (e de certa forma ainda penso) que era uma farsa. Ou seja, era melhor jogar tudo para o alto e deixar esse meu sonho maluco de lado. Mas nada como um “respira, não respira” e uns dias dentro do meu casulo.

Traumas foram feitos para serem resolvidos.

Olha, abrir a caixa de pandora não é das coisas mais fáceis de fazer. Porém, uma vez aberta, é importante desfazer todos os nós que foram criados ao longo do tempo. Não dá para simplesmente abrir e deixar todos aqueles problemas circulando livremente por aí. Não faz bem para mim, para você, nem para a pessoa que está ao nosso lado. Por isso, eu decidi ressignificar tudo o que eu vivi.

Aprendi a enxergar todas essas feridas como marcas de guerra. Afinal, sem elas, eu não seria a pessoa que me tornei hoje. Além disso, hoje, consigo enxergar que o tal emprego dos sonhos, nem era tão encantador assim. O “não” que eu recebi me motivou a me tornar uma profissional melhor e mais capacitada. E os relacionamentos? Eles também serviram como grandes aprendizados. Hoje, eu sei que é melhor estar só que mal acompanhada. No momento certo, o homem da minha vida vai aparecer.

É normal ter medo de se arriscar após tantas experiências malsucedidas.

Sei que é aterrorizante sair do casulo e se arriscar novamente. Eu não sei o que você passou. Não faço ideia se você teve relacionamentos ruins, se sofreu bullying ou qualquer outro tipo de trauma. Mas não deixe essas experiências lhe impedirem de seguir em frente e correr atrás dos seus sonhos. Ou talvez, viver aquele grande amor que está batendo à sua porta.

Não somos as mesmas pessoas de 5, 10, 20 anos atrás. Somos pessoas mais fortes e mais experientes. Talvez seja o momento de deixar os traumas para trás e dar espaço para novos começos. O passado precisa ficar no passado para que novas oportunidades se aproximem.

Vai ficar tudo bem. Você não está sozinho!

Deixe uma resposta

pt_BRPortuguês do Brasil
%d blogueiros gostam disto: